quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Só vê a verdade quem ama.

Só quem ama conhece de verdade alguém.

Parece frase de efeito mas é a mais pura realidade. Se não amas, não acessas a intimidade essencial do outro e aí o único que conheces é a mente. Como olhar para alguém e só ver a roupa. Desfile de moda, pessoas como cabides para as roupas. Elas mesmas, quem são? O que estão sentindo, vivendo? Interessa à alguém?

Assim como quando julgamos alguém sem estarmos conectados com o nosso coração. E com o coração dele. "Heart to heart". Senão é tudo feio, cheio de imperfeições, defeitos, humanidades.

Quando os olhos do amor estão abertos, sabemos o que move o outro, entendemos suas motivações, nos vimos muito semelhantes. Aí podemos ser amigos de verdade e acolher o que sofre, ajudando com nossa aceitação a que o outro também se veja e se perdoe.

Mais sábio ainda que isso é esconder do outro os seus próprios defeitos. Por que, não se engane não, quem mais sofre com eles é quem os tem. Ou seja, todos nós, cada um com os seus.

Por isso as histórias são perfeitas. Alertas o outro do que estás vendo, mas deixa-lhes a dignidade de não colocá-los nus, expostos sem defesa.
Às vezes a verdade pode ser uma arma que esconde a falta de amor e está justificada pela mente como bondade.


Ir aos Himalayas para rodear uma questão e assim dizer algo útil sem enfiar a faca na ferida é um aprendizado. Difícil para os diretos mas simples para os que amam.

Um comentário:

Alana de Abreu Trauczynski disse...

Eu acho que é difícil para os que amam e fácil para os que não estão intimamente relacionados...