segunda-feira, 9 de maio de 2011

Cada vez mais eu...


É muito difícil ser diferente. Passei muito tempo da minha vida tentando me adaptar aos padrões, aos rituais, às fases da vida que deveriam ser correspondentes a cada idade, às responsabilidades e obrigações do "dever ser". Me sentia estranha, errada ou culpada por não querer o que todas as mulheres querem, por não falar sobre o que a maioria delas fala, por odiar ir ao shopping e até por não conviver tão bem com grande parte delas, tendo em vista que a grande maioria dos meus amigos é homem. Também sempre digo que nunca sonhei com o casamento Kate-William, com uma vida perfeitinha, com a rotina sagrada do matrimônio, filhinhos loirinhos correndo no jardim... mas ao mesmo tempo é tão difícil se livrar dos condicionamentos que dizem que tudo isso deveria ser aquilo que você almeja. Ou melhor... se você realmente tivesse a oportunidade de ter tudo isso, não se apegaria a ela? Seria tão mais fácil... Eu bem que tentei, mas não rolou! Agora preciso me livrar de uma vez por todas de tudo aquilo que todos acham que eu deveria ser e  caminhar em direção ao mais profundo de mim mesma... ser o MAIS essencialmente EU possível. 


Cada um de nós é uma única e exclusiva faceta de Deus. Por que insistimos em classificar, rotular, aglomerar estilos? É mais fácil fazer parte de um coletivo do que ser único? Talvez. Mas bom mesmo é encontrar aquilo que só você veio trazer... Negar isso é negar o que há de mais genuíno em você.


"Somente a verdade de quem tu és, se realizada, te libertará"
- Eckhart Tolle

3 comentários:

Fernanda disse...

Perfeito!!

Mel Savi disse...

eu li, eu sempre leio. eu sou meio silenciosa, mas eu tô sempre por aqui. go for it, go for it. and breathe. beijo no coração!

e vídeo bom pra acompanhar: http://www.youtube.com/watch?v=51G4NuQMKGk

Les Amies Doces disse...

Lindo artigo Lana, adoro ver e conhcere pessoas "diferentes".
Seja você sempre e serás feliz!
Beijos,Gisele Piske Ringwalt